963 668 745  910 359 865 

Lista das experiências admitidas à iniciativa Experiências na era
COVID-19:
Resiliência, Singularidade e Determinação

Encontra-se disponível a lista das experiências admitidas à iniciativa "Experiências na era COVID-19 Resiliência, Singularidade e Determinação" a qual pode consultar de acordo com as seguintes categorias:
  • Transformação estrutural e organizacional;
  • Profissionais de Saúde;
  • Tecnologias de informação e digitais;
  • Acesso do cidadão, incluindo grupos vulneráveis e de risco;
  • Prevenção e promoção de saúde pública;
  • Qualidade e segurança do doente.
Caso pretenda obter mais informações sobre alguma das Experiências deverá entrar em contacto com a Comissão Organização através do email geral@apdh.pt

A pandemia por COVID-19 colocou à prova as nossas capacidades coletivas e individuais e impôs a todos, sem exceção, a necessidade de desenvolver novas práticas e comportamentos emergentes para adequação às atuais circunstâncias. Neste contexto pareceu importante à APDH, conjuntamente com as entidades promotoras desta iniciativa – a Direção Geral da Saúde, a Administração Central do Sistema de Saúde e as cinco Administrações Regionais de Saúde e, ainda, as Regiões Autónomas da Madeira e dos Açores, em colaboração especial – lançar um repto a todas as Instituições, profissionais e equipas de saúde de Instituições de Serviço Nacional de Saúde a partilhar as suas Experiências emergidas em resposta aos atuais desafios impostos pela Pandemia. e ainda prestar uma homenagem a todos os profissionais e instituições de saúde, sem exceção, pela grande dedicação e esforço demonstrados.

A resposta a esta iniciativa, mesmo num momento tão crítico, teve uma adesão que superou as nossas expectativas, tendo sido submetidas 62 candidaturas, aqui divulgadas. Pelo esforço desenvolvido e mérito das Experiências apresentadas, a APDH, com grande reconhecimento e apreço, felicita todos os profissionais e instituições de saúde envolvidos nas Experiências, independentemente de vir a integrar a lista dos finalistas.

MUITO OBRIGADO A TODOS!

A DIREÇÃO DA APDH

Transformação estrutural e organizacional

Hospital Garcia de Orta.ACES Almada/Seixal. UCC de Almada

A experiência de articulação Interinstitucional entre o Departamento de Psiquiatria do Hospital Garcia de Orta e a Unidade de Cuidados na Comunidade de Almada - ACES Almada/Seixal

O testemunho aqui explanado faz referência à experiência de implementação de um projeto de parceria entre o Serviço de Psiquiatria do HGO e a UCC de Almada. Projeto esse que teve um importante contributo para a prática clínica, desencadeando a criação de novos procedimentos e favorecendo à criação de pontes de comunicação e complementaridade entre a prestação de cuidados hospitalares no âmbito da esfera de intervenção da equipa de enfermagem do serviço de internamento, e a equipa de enfermagem de cuidados continuados na comunidade.

Objetivos gerais:

  • Promover a continuidade de cuidados no domicílio à pessoa com doença mental grave e com baixa adesão ao regime terapêutico;
  • Promover a rede de suporte e a adequação de recursos, às necessidades da pessoa com doença mental grave, para garantir uma transição segura de cuidados;
  • Facilitar a comunicação com os interlocutores intervenientes na rede de suporte a cada pessoa com doença mental grave.

Objetivos específicos:

  • Melhorar a qualidade da prestação de cuidados em saúde mental e psiquiatria à pessoa com doença mental (DM), facilitadora da proximidade e acessibilidade e promotora da sua integração na comunidade;
  • Compreender e dar sentido à experiência vivida da pessoa com DM, intervindo de forma personalizada;
  • Estimular a adesão ao regime terapêutico;
  • Assegurar uma transição segura de cuidados em estreita articulação com os cuidados de saúde primários e continuados;
  • Capacitar e apoiar a pessoa e cuidadores familiares dos sinais de alerta, de forma a se poderem prevenir descompensações e consequências que daí possam advir.

Centro Hospitalar Universitário do Porto

A Morte e o Luto em tempo de Pandemia – Proposta de intervenção do Grupo de Apoio ao Luto (GAL) dirigida aos profissionais de saúde do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP)
  • Desenvolver e implementar ações de formação, produzir material informativo, prestar apoio a nível de consultadoria e realizar reuniões formais e informais, no sentido de ajudar os profissionais na melhor forma de prestarem cuidados a doentes e famílias na doença grave, doença terminal, morte e luto, em situação de exceção.
  • Dotar os profissionais de instrumentos úteis e com aplicabilidade na sua prática diária.
  • Manter uma rede de suporte aos profissionais assente na estrutura do Grupo de Apoio ao Luto.

INEM

Adaptação da Sala Situação Nacional do INEM face à Crise de Saúde Pública
  • Reorganizar a Sala de Situação Nacional para resposta a uma emergência de Saúde Publica;
  • Monitorizar a situação epidemiológica em Portugal;
  • Coordenar os meios específicos face à necessidade;
  • Promover a interação institucional com os demais intervenientes;
  • Desenvolver o seu papel institucional enquanto entidade integrante no dispositivo de Saúde Pública coordenado pela DGS.

ACES Estuário do Tejo. USF Terras de Cira

Cira Covid-19: adaptação de uma unidade de saúde familiar a novos desafios de acessibilidade aos cuidados de saúde
  • Responder às necessidades do contexto pandémico;
  • Prevenir o contágio pela Covid-19, minimizando a exposição entre utentes e profissionais;
  • Garantir a acessibilidade dos utentes dos cuidados de saúde primários;
  • Minimizar as consequências do distanciamento social, oferecendo alternativas à consulta presencial.
  • Medir e avaliar a resposta da estratégia de adaptação da USFTC no contexto pandémico.

Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa

Clínica APIC - Clinica Admissão Pré-Internamento Cirúrgico

O modelo da Clínica APIC tem por objetivo centralizar a admissão de todos os doentes para cirurgia convencional programada, do departamento cirúrgico, num próprio e único espaço criado no piso 4 por proximidade ao bloco central. A Clínica APIC é projetada para tornar o processo de admissão e preparação dos doentes de cirurgia convencional mais ágil e eficiente, numa visão centrada no doente, contribuindo para uma redução de custos diretos e indiretos e promovendo uma maior humanização e satisfação dos doentes.

  • Otimizar os recursos humanos e os serviços hospitalares;
  • Redução de custos com aumento da eficiência;
  • Otimizar a ocupação das salas do BO e recobro;
  • Redução da demora média do internamento;
  • Otimizar taxa de ocupação hospitalar;
  • Aumentar a satisfação dos doentes;
  • Melhorar a humanização em ambiente hospitalar.

INEM

CODU Virtual

O Projeto CODU Virtual teve como objetivo concretizar o atendimento de chamadas de emergência médica em postos de teletrabalho nos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) do INEM.

Centro Hospitalar Tâmega e Sousa

COVID-19: Experiência do Serviço de Medicina Intensiva do Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa, EPE

O objetivo principal consiste em relatar a experiência dos profissionais de enfermagem do SMI, ao nível da gestão operacional.

Como objetivos específicos, pretende-se:

  • Enunciar as atitudes adotadas no que concerne à Gestão de Recursos humanos e liderança;
  • Identificar as diferentes alterações estruturais e orgânicas do Serviço;
  • Evidenciar os comportamentos na gestão de risco dos doentes e dos profissionais, com especial enfoque no uso dos EPI;
  • Apresentar a casuística COVID-19 do SMI.

Centro Hospitalar do Médio Tejo

Experiência do Serviço de Patologia Clínica do Centro Hospitalar do Médio Tejo, EPE na era da pandemia COVID-19

Foram colocados três importantes desafios ao SPC do CHMT: dar resposta no diagnóstico do SARS-CoV-2 para os utentes do Centro Hospitalar, para os utentes da área de influência do Médio Tejo e para utentes fora da área de influência do Médio Tejo.

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca

Gestão do Fluxo dos Doentes no Serviço de Consulta Externa do Hospital Prof. Fernando Fonseca EPE

O objetivo principal do projeto consiste em retirar o doente do fluxo de marcação de consultas, análises e exames, de forma a minimizar o tempo, a aglomeração de utentes e acompanhantes e deslocação do doente no hospital.

Unidade Local de Saúde do Alto Minho

Impacto estrutural e humano da Pandemia COVID-19 na ULSAM

Demonstrar as transformações estruturais e organizacionais, quer a nível físico, quer de recursos humanos, materiais e financeiros, no Serviço de Medicina de uma Unidade Local de Saúde.

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca

MELHORIA DOS CIRCUITOS dos DOENTES COVID E NÃO COVID NO SERVIÇO DE URGÊNCIA DE ADULTOS

O objetivo do projeto foi melhorar os circuitos COVID e não COVID do Serviço de Urgência de adultos, eliminando cruzamentos entre os dois circuitos e a dispersão de circuitos. Propor a criação de estrutura diferenciada para os doentes suspeitos e portadores de Covid 19.

Centro Hospitalar do Médio Tejo

Mudar o Mundo é Mudar a Forma de Nascer - O impacto da pandemia na forma de nascer no CHMT

A transformação estrutural e organizacional da Maternidade do CHMT, em contexto de pandémico permitiu-nos definir como objetivos:

  • Garantir a 100% a assistência na gravidez, parto e puerpério em período de pandemia;
  • Manter o nível de satisfação/confiança dos utilizadores da maternidade.
  • Dotar o Bloco de Partos de autonomia cirúrgica;
  • Autonomizar a Triagem de Manchester na Urgência Obstétrica;
  • Retomar o mais precocemente possível as recomendações da OMS, no sentido de garantir o acompanhamento das grávidas, parturientes e puérperas, COVID+ ou não. Importa referir que o SGOCN tem certificação pela Norma ISO 9001:2015, no âmbito do Bloco de Partos e Internamento de Puérperas e dos Cuidados Neonatais e que os objetivos agora estabelecidos garantem a integração dos requisitos do Sistema de Gestão da Qualidade nos respetivos processos e que promovem a utilização da abordagem por processos e o pensamento baseado em risco.

Centro Hospitalar Universitário do Porto

O papel dos Cuidados Paliativos dentro do hospital durante a era COVID-19

Caracterizar os doentes com COVID-19 a quem foi solicitado apoio da Equipa Intra-Hospitalar de Suporte em Cuidados Paliativos (EIHSCP) do Centro Hospitalar Universitário do Porto (CHUP). Identificar as razões que motivaram o pedido de consultoria pela EIHSCP.

Centro Hospitalar Universitário Lisboa Norte

Padrões de Qualidade nas Clínicas Virtuais – Consulta Virtual de Oftalmologia na era COVID-19
  • Avaliar o impacto da Implementação de uma consulta virtual no tempo de espera dos doentes até ao primeiro contacto médico;
  • Avaliar o número de idas ao Hospital para exames ou consultas até à primeira decisão informada

ACES Pinhal Litoral.USF Santiago

Resiliência, Consciência e Responsabilidade – A USF Santiago durante a pandemia COVID-19
  • Partilhar a experiência da USF Santiago de Leiria em resposta aos desafios impostos pela Pandemia COVID-19.
  • Fornecer um vislumbre da adaptabilidade e versatilidade da USF Santiago de Leiria face às medidas impostas durante a pandemia de maneira a manter um serviço de qualidade em prol da saúde dos seus utentes.
  • Promover o intercâmbio de ideias e experiências com outras unidades no sentido de melhorar o atendimento dos utentes.

ACES Baixo Mondego - UCC Montemor-o-velho

Uma GATA chamada PAN DE MIA
  • Dar a conhecer a transformação estrutural e organizacional desta UCC desde o inicio da Pandemia;
  • Relatar formas de adaptação dos profissionais de saúde às mudanças e exigências;
  • Expor métodos criativos de manter follow up à COMUNIDADE, de forma a proporcionar a qualidade dos cuidados e segurança do utente

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca

Uma linha de apoio como ferramenta no controlo intra-hospitalar da pandemia

Objetivo principal:

  • minimização do impacto da pandemia COVID-19 nos cuidados de saúde prestados pelo HFF.

Objetivos Secundários:

  • Eliminação rápida de potenciais vias de transmissão intrahospitalar Diagnóstico precoce e orientação dos profissionais de saúde com caso suspeito de COVID-19 Articulação com estruturas de saúde comunitárias (SP/CSP) Constituição de fonte de informação fidedigna para os profissionais do HFF Vigilância de riscos potenciais e implementação de medidas de boas práticas de controlo de infeção.

Profissionais de Saúde

Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada

A importância da Inteligência Emocional em contexto de Pandemia

A Formação em Inteligência Emocional para Profissionais Saúde tem como principais objetivos:

  • Dar a conhecer o que é a Inteligência Emocional e quais as habilidades a desenvolver;
  • Ensinar a aplicabilidade da Inteligência Emocional na vida pessoal e profissional;
  • Fornecer ferramentas que permitam lidar com o stress, a ansiedade, manter a motivação e mente otimista.

INEM

Desafios à Saúde Mental dos Profissionais do INEM: Juntos somos mais resilientes na Era COVID-19

Com o intuito de estruturar a resposta de saúde mental aos profissionais do INEM, convictos de que em conjunto e com a capacitação das valências existentes no Instituto seriamos mais eficazes, os Psicólogos do Centro de Apoio Psicológico e de Intervenção em Crise (CAPIC) organizaram uma task force constituída por 8 elementos, designada COV-APP (Apoio Psicossocial aos Profissionais durante a COVID). Com este propósito, foram estabelecidos os seguintes objetivos:

  • Garantir apoio psicológico aos profissionais do INEM em isolamento profilático ou em caso positivo COVID-19;
  • Promover estratégias de confronto adaptativas por parte dos profissionais;
  • Reforçar as estratégias de autocuidado;
  • Definir a estratégia por parte do CAPIC para garantir resposta psicossocial aos colaboradores no decurso da pandemia;
  • Promover estratégias de comunicação eficazes com base em fontes oficiais de informação e em articulação com as equipas regionais de monitorização;
  • Garantir a articulação intersectorial e entre parceiros para o encaminhamento e referenciação, de acordo com as necessidades identificadas, ao nível social e de saúde mental;
  • Colaborar com as medidas implementadas no âmbito do Plano de Contingência do INEM.

Centro Hospitalar Tondela-Viseu

Gabinete PsiCrise

A quando da elaboração do Plano de Contingências do DPSM, a 18 de março de 2020, no contexto do surto de infeção causado pelo novo coronavírus (COVID-19), foi contemplado a criação do gabinete de PsiCrise com o objetivo de implementar várias estratégias orientadas para o apoio a profissionais de saúde do CHTV. A especificidade da crise/catástrofe causada pelo COVID-19 no mundo e no nosso país colocou a todos enormes desafios no reajuste a uma realidade sentida como ameaçadora do nosso bem-estar físico, psíquico e social.

Os profissionais de saúde estão na linha da frente na prestação de cuidados a doentes com COVID-19, pelo que têm um maior risco de exposição profissional ao coronavírus. O seu processo de cuidar envolve um ajuste significativo de conhecimentos, técnicas e procedimentos a este contextos, implica agora barreiras físicas na prestação de cuidados, menor proximidade com os seus doentes, sobrecarga laboral, preocupação com os outros e consigo próprio (possível contágio - ao cuidar dos outros expõe-se ele próprio à doença em si), mudanças acentuadas na organização hospitalar e nas equipas, diminuição das redes sociais de suporte (eles próprios em isolamento), ansiedade, medos (de falhar, de não aguentar, de não conseguir, tomar decisões difíceis). Estes obstáculos e mudanças podem constituir, agora e no futuro, fatores ativadores de reações de stresse, e ter um impacto negativo no seu bem-estar mental e físico. Está descrito e sustentado que o autocuidado deve ser orientado para a prática de uma vida saudável contemplando o descanso e o sono, alimentação, o exercício físico, a regulação emocional e o suporte psicossocial. Assim, foram implementadas as seguintes linhas de intervenção:

  • Linhas Telefónicas de apoio – Psiquiatria e psicologia
  • Material de apoio à intervenção
  • Sala de Bem-estar e Autocuidado
  • Momento “Heróis de todos os dias”

Centro Hospitalar Universitário do Porto

Identificação dos profissionais em tempos de pandemia – Humanização dos cuidados

Fortalecer e humanizar a relação entre os doentes e os profissionais. Ultrapassar as barreiras comunicacionais impostas pelo uso dos EPI’s. Aumentar a satisfação e contribuir para o bem-estar dos doentes e dos profissionais.

Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central

LAIOT - Linha de Atendimento: Informação/Orientação Técnica COVID-19
  • Facultar informações atualizadas no âmbito da documentação produzida pelo CHULC e DGS, bem como outras fontes nacionais e internacionais de referência.
  • Disponibilizar apoio técnico aos profissionais e equipas na implementação das diretrizes e orientações vigentes.
  • Esclarecer dúvidas, identificar dificuldades e sugestões que contribuam para melhoria contínua. Assegurar proximidade junto dos profissionais mantendo a distância segura.

Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca

Projeto de gestão de transportes dos doentes no serviço de Imagiologia do Hospital Professor Doutor Hospital Fernando da Fonseca, no contexto Covid 19

O objetivo do projeto consistiu em promover uma alteração à organização e ao processo de transporte de utentes para realização de exames imagiológicos de forma a otimizar o desempenho da equipa de Auxiliares de Ação Médica de transporte e, consequentemente, os indicadores de desempenho do Serviço de Imagiologia quanto à realização de exames a utentes com proveniência no internamento do Hospital Fernando Fonseca.

Centro Hospitalar do Médio Tejo

Seguimento dos Profissionais de Saúde em pandemia SARS-CoV2 pela Equipa Hospitalar de Apoio aos Profissionais de Saúde (EHAP) do Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT), E.P.E.
  • Responder às dúvidas e preocupações;
  • Orientar as ações a desencadear face à exposição ao SARS-COV-2;
  • Seguir os profissionais Infetados; Promover o apoio e a segurança dos profissionais.

ACES Dão Lafões

Trace Covid 19: Equipa de Gestão e Proximidade do ACeS Dão Lafões | A partilha de uma experiência entre profissionais durante a pandemia

Objetivos gerais:

  • Implementar e operacionalizar a plataforma Trace COVID-19, aumentando a formação de todos os profissionais que tiveram necessidade de rapidamente incorporar as suas funcionalidades.
  • Uniformizar procedimentos no seguimento clínico efetivo e vigilância dos doentes suspeitos ou confirmados COVID-19, em “autocuidados” e em ambulatório.

Objetivos específicos:

  • Monitorizar toda a atividade do Trace COVID-19 no ACeS Dão Lafões.
  • Alocar, equitativamente, utentes sem Médico Família, mas residentes na área geográfica do ACeS Dão Lafões, às várias Unidades de Cuidados Saúde Personalizados (UCSP)/Unidades de Saúde Familiares (USF) do mesmo.
  • Monitorizar e apoiar a realização das tarefas Trace Covid 19 em cada Unidade Funcional (UF).
  • Criar um suporte de proximidade aos profissionais das UF responsáveis pela vigilância Trace COVID-19.
  • Fazer o report e a ligação bidirecional entre o CCS e os médicos e os enfermeiros que executam o Trace COVID-19.
  • Articular com a equipa Trace COVID-19 do Centro Hospitalar Tondela Viseu.
  • Promover a formação interna sobre a utilização da plataforma.
  • Elaborar documentos internos para a uniformização dos procedimentos inerentes à utilização do Trace COVID-19.

Centro Hospitalar Tâmega e Sousa

Viver com a Pandemia COVID-19: O Impacto na Saúde Mental no CHTS

Identificar, monitorizar e definir intervenções de acordo com os problemas identificados ao nível da ansiedade, depressão, burnout e coping

Tecnologias de informação e digitais

Centro Hospitalar Universitário do Porto

Era COVID-19: Cuidar de perto…ao longe

Refletir sobre o impacto que o uso das tecnologias teve no cuidado aos doentes seguidos pela Equipa Intra-Hospitalarde Suporte em Cuidados Paliativos (EIHSCP) do Centro Hospitalar e Universitário do Porto (CHUP).

Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa

MaGaLi, o Mapa de Gabinetes Livres da Consulta Externa

O grande objetivo da ferramenta MaGaLi (Mapa de Gabinetes Livres) é a identificação, de forma fácil e muito prática, quais os gabinetes médicos livres e ocupados na Consulta Externa, de modo a facilitar a gestão dos gabinetes, nomeadamente na alocação de novos recursos aos gabinetes livres. Este mapa permite não só melhorar a taxa de ocupação dos gabinetes médicos, como tornar mais ágil e eficiente a gestão de horários, profissionais médicos e gabinetes da Consulta Externa.

Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa

Nascer no CHTS - Preparação para o Parto e Parentalidade, à distância de um click

O objetivo deste projeto “Nascer no CHTS – Preparação para o Parto e Parentalidade, à distância de um click”, consiste na elaboração de uma plataforma online, onde todos os casais grávidos e particularmente os da área de influência do CHTS, possam encontrar informação diversa sobre gravidez, trabalho de parto, parto, puerpério e recém-nascido.

  • Estabelecer relação de proximidade entre a equipa de enfermagem da sala de partos e a mulher/casal grávido;
  • Promover a literacia em saúde em temas relacionados com a gravidez, trabalho de parto, parto, puerpério e recém-nascido;
  • Disponibilizar informação considerada pertinente através de redes sociais;
  • Esclarecer dúvidas sobre funcionamento do serviço em tempo de pandemia;
  • Estabelecer meio de comunicação, e-mail, para esclarecimento de dúvidas;
  • Criar espaço semanal online “live”, através da plataforma ZOOM, ZOOM profissional ou B-LEARNING para esclarecimento de dúvidas com um dos elementos colaboradores do projeto, da equipa de enfermagem do Bloco de Partos. Pretende-se que este projeto se realize até ao final do corrente ano, aliado a uma otimização de recursos e garantindo a qualidade do serviço prestado.

IPO Coimbra

PORTAL PROXIMIDADE +

Reagir e Responder

  • Garantir a segurança de toda a comunidade hospitalar
  • Assegurar o acesso e a continuidade dos tratamentos (Garantir o cumprimento da norma da DGS nº 009/2020: estabelecer parcerias e protocolos, promover o rastreio laboratorial em contexto de proximidade, reforçar a capacidade interna)
  • Promover a comunicação com doentes e profissionais de saúde, criando uma sensação de segurança e de propósito comum
  • Reforçar a humanização de cuidados 2. Recuperar 3. Reformular

Hospital Garcia de Orta

Telemonitorização de doentes CoViD-19 em regime de Hospitalização Domiciliária

Como objetivos do projeto, delineámos:

  • Monitorizar de forma próxima doentes infetados com CoVid-19 com critérios de internamento hospitalar numa Unidade de Hospitalização Domiciliária
  • Manter um ambiente seguro no lar do doente
  • Diminuir o stress causado à família e ao doente
  • Aumentar a proximidade doente-profissional em altura de isolamento social obrigatório
  • Desenvolver uma ferramenta de fácil utilização para monitorização de doentes em regime de Hospitalização Domiciliária
  • Auxiliar a transformação digital do SNS

Acesso do cidadão, incluindo grupos vulneráveis e de risco

Centro Hospitalar Barreiro Montijo

A Diabetes não está de Quarentena

Manter o acompanhamento, presencial ou à distância, de doentes com Diabetes - doença crónica cuja descompensação implica grande risco de eventos fatais; tranquilizar e evitar recurso ao Serviço de Urgência. Promoção do ensino em saúde para que mesmo à distância o utente ou cuidador se sintam seguros e capazes de adquirir competências nesta área, que podem ser validadas presencialmente, ou via material educacional à distância.

Facilitar o acesso à equipa de saúde para esclarecimento de dúvidas ou resolução de problemas.

Centro Hospitalar Tâmega e Sousa

Barrigas e Rebentos: Vivenciar uma parentalidade saudável e positiva
  • Potenciar o conhecimento dos casais relativamente às competências parentais;
  • Potenciar as capacidades e habilidades no desempenho das competências parentais;
  • Promover o bem-estar no desempenho do papel parental;
  • Assegurar o bem-estar materno no pós-alta;
  • Assegurar os cuidados e o bem-estar do Recém-Nascido (RN);
  • Promover a satisfação do casal no desempenho do papel parental;
  • Promover a Ligação mãe/pai-RN e a Vinculação

Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa

Diário de Quarentena: bem-estar em tempos de distanciamento social

Mais do que um projeto, o Diário de Quarentena é uma ferramenta que vem permitir a intervenção terapêutica à distância, tendo dois grandes.

OBJECTIVOS GERAIS: dar continuidade ao processo de reabilitação de utentes em ambulatório e em internamento; prevenir recaídas, evitando o internamento de doentes em ambulatório. Através OBJECTIVOS ESPECÍFICOS: da estimulação para a realização das atividades de vida diária (autocuidados, produtividade e lazer) e manutenção de uma rotina organizada; da Orientação para a realidade através do fornecimento de informações importantes e atualizadas de acordo com a DGS; e da intervenção ao nível do isolamento social, diminuindo a sensação de solidão e exclusão.

ACES Sintra.USF AlphaMouro

Distantes, mas presentes
  • Manter cuidados aos mais idosos (≥ 75 anos);
  • Prestar cuidados à distância com o uso da tecnologia digital;
  • Prevenir doenças mentais devido ao confinamento;
  • Identificar necessidade de cuidados multidisciplinares ou de carácter social.
  • Educar para a exposição à informação;
  • Promover a saúde física;
  • Combater o isolamento social.

ACeS Algarve Central

Experiência Piloto do uso de bicicletas elétricas na USF Ossónoba, Unidade Funcional do ACES ALGARVE I CENTRAL
  • Aumento do número de visitas domiciliarias realizados pela USF Ossónoba;
  • Melhoria da mobilidade dos profissionais da USF Ossónoba;
  • Proteção individual dos profissionais da USF Ossónoba;
  • Promoção do estilo de vida saudável aos profissionais e utentes da USF Ossónoba

ACES Entre Douro e Vouga I - Feira e Arouca - USF Terras de Santa Maria

Gerir Cuidados de Saúde à distância e em situação de Pandemia; Experiência da USF Terras de Santa Maria
  • Atender à distância e atingir os resultados definidos
  • Avaliar a experiência e resiliência dos profissionais em relação a este tipo de consulta
  • Avaliar a satisfação dos utentes em relação às consultas por telefone

Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa

Humanizar U AVC
  • Promover a parceria dos cuidados com a família do cliente internado;
  • Facilitar a comunicação utente - família;
  • Melhorar a satisfação do cliente internado;
  • Promover a humanização dos cuidados de enfermagem

SESARAM

Intervenção Psicossocial em Crise - Equipa Multidisciplinar
  • Assegurar o bem-estar psicossocial da população alvo desta intervenção ao longo dos 14 dias de quarentena;
  • garantir a articulação/ligação com a Autoridade de Saúde;
  • efetuar o levantamento de necessidades por forma a garantir um maior conforto e bem-estar biopsicosocial, garantia das necessidades básicas desta população, com particular relevância nos sintomas clinicamente significativos (relacionados ou não com a COVID19);
  • articulação com as equipas de saúde dos Cuidados de Saúde Primários ou Hospitalares consoante a necessidade do utente;
  • realizar a avaliação social dos cidadãos e respetivo encaminhamento para respostas e apoios pelas Instituições da comunidade, consoante necessidades diagnosticadas;
  • auscultação de especificidades das dietas alimentares dos cidadãos em confinamento e respetiva articulação com a Unidade de Nutrição do Sesaram para acompanhamento especializado;
  • apoio clínico nos casos clínicos com sintomatologia psicopatológica ativa relevante, com sofrimento clinicamente significativo;
  • avaliação para as necessidades de garantia de tratamentos urgentes, nomeadamente providenciar medicação adequada e cuidados médicos gerais;
  • garantia de necessidades específicas aos cidadãos (disponibilização de material lúdico para as crianças, roupa, entre outros).

Centro Hospitalar Universitário Lisboa Central

MPdeTi - Mais Próximos de Ti
  • Apoiar e promover a comunicação e proximidade entre o doente e os seus familiares através de meios eletrónicos Minimizar os constrangimentos relativos à limitação de visitas decorrentes das diretrizes no âmbito da pandemia COVID-19
  • Diminuir a ansiedade do doente e familiares como consequência da limitação das visitas Articular com as equipas de saúde na identificação e mobilização de medidas necessárias para satisfazer as necessidades dos doentes e famílias.

ACES Grande Porto VIII – Espinho/Gaia

Outbreak-free homes – Intervenção em Estabelecimentos de Apoio Social a Pessoas Idosas durante a pandemia COVID-19

O principal objetivo foi de prevenir a morbi-mortalidade associada a doença infectocontagiosa (COVID-19) em estabelecimentos de apoio social a idosos, especificamente:

  • reduzir em 50% o número de ERPI/AFPI com casos confirmados de COVID-19 em utentes,
  • reduzir em 50% o número de surtos de COVID-19 em utentes na 2ª vaga da pandemia, em comparação com a 1ª vaga; e
  • intervir no EASPI até 12 horas após um caso suspeito de COVID-19.

No entanto, outros objetivos foram incluídos neste projeto, nomeadamente:

  • criação de canal de comunicação constante entre as instituições envolvidos na gestão de saúde de utentes e profissionais de EASPI, incluindo em resposta a situações urgentes (e.g. epidemia / pandemia)
  • formação dos profissionais de todos os ERPI/AFPI em prevenção e controlo de infeção;
  • criação de sistema de informação e monitorização de EASPI e seus utentes e profissionais.

ACES Douro II - Douro Sul.USF Aquilino Ribeiro. Câmara Municipal de Moimenta da Beira

Programa de Visitação Domiciliária – Unidade Móvel de Saúde de Moimenta da Beira

Neste sentido, a equipa profissional da USF AR propôs-se implementar um programa de “Visitação Domiciliária” (VD), com consultas médicas e de enfermagem, a realizar diariamente, nos períodos da manhã e tarde (exceto 6as feiras, por motivo de organização de agenda), com recurso à Unidade Móvel de Saúde da Câmara Municipal de Moimenta da Beira, seu parceiro neste projeto.

Centro Hospitalar de Entre Douro e Vouga

PROJECTO CADCOZ

O Centro CADCOZ teve como principais objetivos:

  • proporcionar serviços de emergência, com carácter temporário e transitório, adequados à problemática biopsicossocial dos utentes;
  • assegurar a satisfação das necessidades básicas dos utentes;
  • e prestar cuidados básicos de saúde, com seguimento clínico e acompanhados diariamente por profissionais de saúde do CHEDV E ACES.

Centro Hospitalar Lisboa Ocidental

Psiquiatria na Era da Pandemia: Avaliação dos utentes sobre o funcionamento do Hospital de Dia de Psiquiatria do Hospital Egas Moniz

Este estudo teve como objetivo a avaliação, por parte dos utentes em seguimento no HD de Psiquiatria, no que concerne a três objetivos:

  • identificar o impacto subjetivo das condições inerentes à pandemia (e aplicadas à população em geral) ao nível da saúde mental dos doentes;
  • identificar o impacto subjetivo da alteração da dinâmica de funcionamento do HD e na relação com esta estrutura; e
  • obter feedback quanto à metodologia de trabalho e de intervenção dos técnicos do HD.

ACeS Estuário do Tejo

(Tele)Reabilitação Respiratória do ACeS Estuário do Tejo

A RR constitui uma abordagem terapêutica não farmacológica com elevado grau de evidência e recomendação. Existindo uma relação inversa entre a atividade física e as exacerbações e a mortalidade, a abordagem em RR pretende-se multidisciplinar e indissociável duma intervenção baseada no treino de exercício, a par de uma forte componente educacional ao utente, familiar e cuidador. Apesar do contexto de pandemia em que vivemos que restringe a maioria destes doentes ao confinamento em suas casas, criaram-se condições de intervenção no sentido de lhes melhorar a qualidade de vida, sem aumentar o risco por si já elevado nas complicações associadas ao contágio pelo Sarscov-2.

O AceS Estuário do Tejo criou condições de acessibilidade destes doentes a cuidados de RR no formato de Telereabilitação. A DGS enumera como benefícios de um programa de reabilitação respiratória, a melhoria da dispneia, o aumento da qualidade de vida, benefícios psicossociais e a diminuição do número de dias de hospitalização entre outros. Os objetivos operacionais definidos, que determina a avaliação dos resultados obtidos deve incidir sobre: a avaliação dos sintomas, o desempenho nas avd's, da capacidade funcional e qualidade de vida.

Prevenção e promoção de saúde pública

ACES Pinhal Litoral. Centro de Saúde da Marinha Grande

A ERA COVID - TODOS POR TODOS
  • Promover o trabalho em equipa a uma escala concelhia no âmbito do combate à Pandemia
  • Assegurar recursos de proteção para as equipas de saúde do Centro de Saúde da Marinha Grande
  • Promover a proteção da população em relação ao contágio por SARS 2
  • Criar condições para a proteção da população mais vulnerável
  • Apoiar todas as estruturas comunitárias na prevenção do contágio por SARS 2

ACES do Tâmega III – Vale do Sousa Norte. USP Vale Sousa Norte.UCC Lousada

Covid-19 no Contexto de Saúde Escolar

Objetivo geral: Garantir a segurança do espaço escolar no âmbito da pandemia SARS-CoV-2, minimizando o risco de transmissão de SARS-CoV-2 entre a comunidade educativa.

Objetivos específicos:

  • Garantir a reorganização de 100% dos estabelecimentos de ensino, de forma a cumprir as orientações em vigor relacionadas com a infeção Covid-19, até à abertura do ano escolar;
  • Garantir a gestão adequada de 90% dos casos suspeitos, desde a identificação do caso no contexto escolar até resolução por parte de um profissional de saúde, no ano letivo 2020-2021;
  • Garantir comunicação adequada de 100% dos alunos em isolamento profilático aos estabelecimentos de ensino;
  • Obter a monitorização do absentismo em 50% dos estabelecimentos de ensino;
  • Acompanhar a evolução epidemiológica de casos de Covid-19 em 100% dos agrupamentos escolares, durante o ano letivo 2020-2021;
  • Garantir formação aos não docentes de 100% dos agrupamentos escolares;
  • Garantir formação aos docentes de 100% dos agrupamentos escolares; (8) Garantir formação a 100% das associações de pais dos estabelecimentos de ensinos.
  • Promover o trabalho em equipa a uma escala concelhia no âmbito do combate à Pandemia
  • Assegurar recursos de proteção para as equipas de saúde do Centro de Saúde da Marinha Grande
  • Promover a proteção da população em relação ao contágio por SARS 2
  • Criar condições para a proteção da população mais vulnerável
  • Apoiar todas as estruturas comunitárias na prevenção do contágio por SARS 2

ACES do Alto Ave

COVID-19: a prevenção nas Estruturas Residenciais para Idosos

Neste projeto, para a definição de objetivos, teve-se em conta as categorias dos mesmos, apontadas por Melo (2020): finalidade, objetivos gerais, objetivos específicos e metas. Assim, era finalidade deste projeto:

Diminuir o impacto da COVID-19 nas ERPI. Como objetivos gerais, foram definidos os seguintes:

  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI que aceitaram participar no projeto, sobre a prevenção da transmissão da infeção pelo Novo Coronavírus;
  • Garantir a realização de testes à COVID-19 aos residentes e aos profissionais das ERPI da área de abrangência do ACeS do Alto Ave. Partindo dos objetivos gerais, foram definidos os objetivos específicos, tendo em conta os problemas identificados e a partir destes, foram estabelecidas as metas:
  • Garantir a frequência da formação por 70% dos profissionais das ERPI que aceitaram integrar o projeto, até 15/05/2020;
  • Garantir a resposta ao questionário de avaliação de conhecimentos após a formação, por 30% dos profissionais que frequentem a formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre medidas gerais na prevenção da transmissão da infeção pelo Coronavírus de 74,9% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre precauções básicas de controlo de infeção pelo Coronavírus de 76,1% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre medidas de higiene e controlo ambiental para a prevenção da transmissão da infeção do Coronavírus de 75,8% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre segurança alimentar na prevenção da transmissão da infeção do Coronavírus de 54,1% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre o procedimento perante um caso suspeito de infeção por Coronavírus de 89,5% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre o procedimento perante um caso de infeção por Coronavírus de 80% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre o procedimento de vigilância de um contacto próximo de 82,7% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre o procedimento de admissão de novo residente de 91,1% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o conhecimento dos profissionais das ERPI sobre os cuidados após falecimento de residente infetado de 95,5% para 100% dos participantes na formação, até 22/05/2020;
  • Aumentar o número de residentes das 48 ERPI da área de abrangência do ACeS do Alto Ave, com o teste à COVID-19 realizado, de 90,3% para 100%, até 30/05/2020; § Aumentar o número de profissionais das 48 ERPI da área de abrangência do ACeS do Alto Ave, com o teste à COVID-19 realizado, de 82,6% para 100%, até 30/05/2020.

Centro Hospitalar do Médio Tejo

Em tempo de pandemia, uma parceria com os municípios do Centro Hospitalar do Médio Tejo - Formar, Evoluir e Prevenir

O objetivo geral do Projeto é intervir na Comunidade de forma especializada, mais especificamente na capacitação de assistentes operacionais de escolas e lares, para o Cuidar do Idoso e prevenção do SARS-CoV-2.

Como objetivos específicos pretendemos:

  • Aumentar a sensibilização das pessoas para a problemática do SARS-CoV-2 nas instituições;
  • Capacitar as Assistentes operacionais em Cuidar da Pessoa Idosa, tendo em conta SARS-CoV-2;
  • Capacitar as Assistentes operacionais em SBV, tendo em conta SARS-CoV-2.

ACeS Baixo Vouga

Grupo de Enfermeiros de Estarreja - Apresentação do projeto de intervenção comunitária (COVID-19 Como Prevenir – Adaptação à nova realidade)

Objetivo Geral:

  • Adotar comportamentos que diminuam a disseminação da infeção por SARS-CoV-2 na comunidade estarrejense. Com o intuito de dar resposta ao objetivo geral, definiu-se os seguintes

Objetivos Específicos:

  • Adquirir conhecimentos sobre COVID-19;
  • Adquirir conhecimentos sobre a prevenção COVID-19;
  • Reconhecer a importância da aplicação das medidas preventivas no combate à pandemia COVID-19;
  • Reconhecer sinais e sintomas da COVID-19 e modo de atuação;
  • Adquirir conhecimento sobre a utilização de EPI’s;
  • Adquirir maior segurança através do esclarecimento de dúvidas existentes por grupo sectorial de atividade e população em geral;
  • Diminuir risco de contágio e propagação da doença na comunidade através da adoção de medidas e comportamentos preventivos.

ACES Baixo Vouga

História do Cerco de Ovar: testemunhos da saúde pública em contexto de cordão sanitário
  • Manter controlo dos casos positivos e contatos conhecidos
  • Identificar com celeridade novos casos
  • Isolar e vigiar contactos eficazmente
  • Estabelecer circuito de avaliação de doentes agudos
  • Promover prestação de cuidados a casos suspeitos e infetados
  • Garantir prevenção da infeção nos grupos de risco
  • Manter sensação de confiança nas instituições e ordem social

INEM

Novos paradigmas da resposta à emergência - Equipa de Enfermagem de Intervenção Primária (EEIP) - COVID-19
  • Reduzir a disseminação da infeção por SARS-CoV-2;
  • Minimizar o risco de transmissão nosocomial de COVID 19;
  • Promover a capacidade de resposta hospitalar para os cuidados de saúde essenciais e doentes críticos.

ACES Baixo Mondego - UCC Norton Matos

Um Cuidar Continuo No Momento de Pandemia
  • Determinar as necessidades e recursos para uma resposta efetiva proporcionada ao nível de risco;
  • Comunicar e capacitar a comunidade da área de abrangência do Centro de Saúde com informação e conhecimento atualizado e fidedigno;
  • Implementar medidas de prevenção primária adequadas ao nível de risco;
  • Detetar precocemente os casos de doença e os seus contactos facilitando a articulação e ligação aos serviços de saúde;
  • Assegurar uma resposta coordenada com as Unidades Funcionais do CSNM, parceiros, outras instituições e organizações;
  • Assegurar a continuidade dos cuidados imprescindíveis ao bem-estar dos utentes, de acordo com o nível de risco e orientações das hierarquias;
  • Minimizar o efeito da epidemia na comunidade da área de abrangência do Centro de Saúde.

Qualidade e segurança do doente

ACES do Grande Porto IV – Póvoa de Varzim/Vila do Conde

COVID-19: Por detrás da linha da frente
  • Minimizar o risco de transmissão da infeção por SARS-COV-2 em profissionais, associado à falta de EPI;
  • Minimizar o risco de transmissão da infeção por SARS-COV-2 a utentes, associado à falta de EPI;
  • Garantir a acessibilidade do cidadão à sua unidade de saúde em segurança;
  • Promover a utilização correta de EPI em todas as unidades de saúde e ADC;
  • Garantir a distribuição equitativa de EPI às unidades e ADC de acordo com as boas práticas definidas;
  • Formação sobre EPI e sua utilização a todos os profissionais do ACeS ao serviço, nomeadamente: assistentes operacionais, assistentes técnicos, enfermeiros, funcionários de empresas de prestação de serviços de limpeza e segurança, médicos, motoristas, nutricionistas, psicólogos, técnicos superiores, técnicos superiores de saúde, técnicos de saúde ambiental, entre outros;
  • Utilização de metodologias digitais para reuniões, formação e literacia em saúde.
  • Caracterização detalhada das UF e ADC (número de utentes e número de profissionais);
  • Caracterização detalhada da atividade assistencial das UF e ADC (número de consultas presenciais, médicas e de enfermagem e número de visitas domiciliárias semanais);
  • Cálculo do número médio de EPI necessários à prestação de cuidados por semana por UF e ADC;
  • Elaboração de instrumento de registo de monitorização dos consumos (níveis de stocks) por UF e ADC;
  • Elaboração de instrumento de registo de distribuição de material;
  • Redação e divulgação de orientações e procedimentos internos, cartazes e flyers, que incluem informação sobre utilização correta de EPI, pelas UF e ADC;
  • Consultoria com emissão de pareceres sobre fichas técnicas para aquisição de EPI pelo ACeS;
  • Construção de um projeto de investigação (em elaboração).

Centro Hospitalar do Tâmega e Sousa

Covid-19 | Prevenção Quedas em Ambiente Hospitalar
  • Reconhecer a importância da qualidade e segurança nos cuidados de saúde prestados, sensibilizando os profissionais para a problemática das quedas que ocorrem na instituição neste contexto da pandemia;
  • Fomentar a segurança do doente e por inerência a qualidade dos cuidados prestados;
  • Identificar as mudanças na prática de enfermagem que afetam a prevenção de quedas devido às demandas de isolamento estrito;
  • Comparar as mudanças de processo que podem ser implementadas para aumentar a prevenção de quedas;
  • Integrar intervenções clínicas para reduzir as barreiras à prevenção de quedas
  • Envolvimento do doente com COVID-19 no ambiente de isolamento para a prevenção de eventos adversos;
  • Integrar intervenções para a prevenção de quedas;
  • Contribuir para a melhoria contínua da qualidade e da segurança dos cuidados de saúde traduzida pela taxa de eficácia/ efetividade na prevenção de quedas;
  • Dotação de material preventivo para o gerenciamento do evento adverso queda através da atribuição cintos de segurança de faixa abdominal e pélvico e meias antiderrapantes que permitam assegurar de modo eficaz a segurança do doente em isolamento por COVID-19;
  • Avaliar o impacto (económico) da implementação destas estratégias preventivas.

ULS Guarda

Estreitar distâncias

Objetivo principal: Promover uma humanização efetiva durante o internamento hospitalar

Objetivos secundários:

  • Facilitar a comunicação entre os familiares e os utentes internados;
  • Promover a segurança e qualidade da informação transmitida ao convivente significativo;
  • Simplificar o processo de acesso à informação clínica e ao acompanhamento do estado geral dos utentes internados;
  • Aumentar a satisfação e a envolvência de todos os “stakeholders” que intervêm no processo clínico;
  • Diligenciar a possibilidade de uma visita do convivente significativo a utentes em fase terminal.

ACES Cávado I - Braga - USF Minho

Manter a qualidade perante a adversidade – a experiência da USF do Minho na luta contra a pandemia

Objetivos secundários:

  • Manter a atividade assistencial e a prestação de cuidados de qualidade aos utentes durante o período da pandemia;
  • Evitar a contaminação entre utente-profissional, utente-utente e profissional-profissional;
  • Dar resposta célere às normas e orientações emitidas pela DGS.

Hospital Arcebispo João Crisóstomo (Cantanhede)

Manter um rosto humano na resposta à Covid-19: programa de gestão de visitas aos doentes internados na Unidade de Cuidados Paliativos do Hospital de Cantanhede

Os cuidados paliativos assentam em quatro pilares fundamentais: controlo sintomático, comunicação eficaz, trabalho em equipa e apoio à família. Assim, os objetivos foram:

  • Promover a qualidade de vida do doente preservando a integração nos cuidados da participação da rede social de apoio;
  • Criação de um programa de gestão de visitas ajustado à situação atual de pandemia;
  • Uniformizar práticas de prevenção e controlo de infeção no âmbito da pandemia COVID-19;
  • Manter uma comunicação eficaz entre todos os envolvidos no processo;
  • Satisfazer as necessidades multidimensionais do doente, mormente a manutenção da rede social de apoio

ACES Dão-Lafões

Prevenção e Promoção da Saúde Pública na Pandemia COVID-19-: No combate ao Grande Vírus: Trinka, João e a Comunidade trabalham juntos.

A utilização desta história, folheto e guia de perguntas tem o objetivo de:

  • dar às crianças, aos pais, aos educadores e/ou aos profissionais, ferramentas para abordar a pandemia e o confinamento, pois pode criar oportunidade para conversas difíceis, mas importantes, informativas e preventivas sobre a COVID-19;
  • Apoiar e desenvolver um conjunto de competências conscientes e compassivas para lidar com situações mais difíceis (nas crianças, adultos e profissionais);
  • Envolver esforços e parcerias para fortalecer os fatores de proteção e promover a resiliência das crianças e famílias ao impacto psicológico causado pelo Covid-19.
  • Abordar o stresse e/ou trauma no sistema familiar, particularmente para as crianças.
  • Disponibilizar ferramentas/estratégias uteis para lidar e intervir precocemente em situações de crise (como é o caso da pandemia);
  • Permite, ainda, reconhecer, valorizar e congratular todos os profissionais da linha da frente.

Centro Hospitalar do Médio Tejo

Retoma da atividade cirúrgica ambulatória em contexto COVID-19 – adaptação a uma nova realidade
  • Antecipar a preparação dos profissionais para a retoma segura da atividade cirúrgica;
  • Retomar a atividade cirúrgica em ambulatório no contexto de pandemia por COVID 19, preservando a segurança de profissionais e utentes do CHMT;
  • Garantir a 100% a segurança e manutenção da qualidade dos cuidados prestados;
  • Garantir o rápido retorno à atividade cirúrgica das diferentes especialidades,
  • Contribuir para a redução das listas de espera.
  • Manter o nível de satisfação/ confiança dos doentes/ famílias na UCA